AGROECOLOGIA: CAMINHOS PARA O FUTURO


Publicado há 7 anos, 11 meses

 Por Denis Monteiro

Em tempos de Rio+20, a humanidade vive uma encruzilhada civilizatória. A crise ambiental que vivemos não tem precedentes. É preciso mudar com urgência os rumos do desenvolvimento.

Muito da crise se deve ao sistema agroalimentar industrial, insustentável, que desmatou, matou ecossistemas e expulsou populações para dar lugar a monocultivos para exportação. Um sistema que usa mecanização pesada, agrotóxicos e sementes transgênicas produzidas por empresas multinacionais. As consequências são a expulsão de agricultores familiares para os centros urbanos, perda de solos e de biodiversidade, assoreamento e poluição de cursos d’água, contaminação dos alimentos. Esse modelo contribui para o aquecimento global, emite gases de efeito estufa porque desmata florestas e depende de queimar petróleo para fabricar fertilizantes e fazer a comida viajar longas distâncias.

UMA ESPERANÇA - É nesse cenário que vem ganhando força no mundo um movimento contra-hegemônico: a defesa da agroecologia, uma ciência que aplica os princípios da ecologia à agricultura. Busca promover agriculturas em harmonia com a natureza, preservando florestas e águas, recuperando a fertilidade dos solos através do uso de matéria orgânica, promovendo a diversificação de cultivos e criações, com sementes crioulas produzidas pelos próprios agricultores, não usando agrotóxicos que poluem o ambiente e nem fertilizantes industriais que enfraquecem os solos. Com a agroecologia é possível produzir alimentos saudáveis, de alto valor biológico, livres de agrotóxicos e transgênicos. A ciência da agroecologia não é uma ciência autoritária e privatizada, mas democrática, pois respeita e valoriza os conhecimentos dos agricultores, e promove um diálogo destes com conhecimentos produzidos nas instituições de pesquisa.

Agroecologia é também um movimento social, pois defende propostas para a agricultura e luta por elas. O movimento agroecológico, que no Brasil tem como expressão política a Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), é contra o latifúndio e defende a reforma agrária e o reconhecimento dos territórios tradicionais. Pois o desenvolvimento da agroecologia só acontece com uma agricultura familiar numerosa e forte. Também defende circuitos locais e solidários de produção e consumo de alimentos, crítico, portanto, aos impérios dos hipermercados.

Apesar das evidências dos impactos positivos da agroecologia, é necessário enfrentar mitos e construções ideológicas erguidos pelos defensores do sistema agroalimentar industrial. Este, para legitimar-se na sociedade como único caminho possível, desqualifica o enfoque agroecológico e a agricultura familiar como atrasados e incapazes de alimentar o mundo e promover desenvolvimento.

Os principais desafios da agroecologia são, portanto, de natureza política. Para enfrentá-los será necessário muita mobilização e resistência. Que sejam fortalecidas e multiplicadas experiências nos territórios, construídas redes solidárias entre o campo e cidade, e que se lute pela democratização do Estado e a construção de políticas públicas capazes de promover a agroecologia como o enfoque orientador para a agricultura e o meio rural, no Brasil e no mundo.

Denis Monteiro é engenheiro agrônomo e secretário executivo da Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), Rio de Janeiro, RJ.

Busca no blog

POSTAGENS POR DATA