Cidona Vive! Exemplo de Resistência, Carinho e Humildade


Publicado há 5 anos, 9 meses

Por Geovane Rocha – Comunicador Popular da Cáritas Diocesana de Almenara, Jequitinhonha/MG

Foto: Sara Aguilar
Eu sou desse jeito, alegre, extrovertida e ágil, e não deixo pra fazer amanhã o que pode ser feito hoje”. Assim foi Cidona, segundo ela mesma. Mulher guerreira, humilde, lutadora, carinhosa, forte e sensível, que dedicou seus 49 anos de vida para que cada família tivesse alimento de qualidade em sua mesa, nem que para isso ela tivesse que abrir mão de seus afazeres. E isso aconteceu diversas vezes. Uma agricultora do Assentamento Franco Duarte em Jequitinhonha/MG e militante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), da Articulação Semiárido Brasileiro (ASA) e da Cáritas Diocesana de Almenara, que dizia que queria “viver com as famílias e aqui no Franco Duarte até os próximos 100 anos, continuo me organizando porque acredito no povo, acredito na luta do povo. ” Acreditou na mística militante, na alegria popular, na luta e coragem da classe trabalhadora e na força da mulher. Não só acreditou, como se dedicou a esta causa e nos ensinou a beleza da luta pela liberdade. Seus ensinamentos estão conosco, e sempre nos inspirará.

Foto: Helen Borborema
É difícil descrever quem foi Cidona, não é fácil achar palavras para contar a emoção de ouvir ela recitar um poema, do arrepio ao vê-la puxando uma palavra de ordem, da ternura de seu abraço, do ecoar do seu cantar, da beleza de seu sorriso e da força de seu olhar. E esta baiana mais amineirada que possa existir se despediu de todos nós da maneira que mais gostava, ajudando e festejando. No momento de sua partida ela estava contribuindo na organização de uma festa, cozinhando, cantando, rebolando e enfeitando o ambiente com bandeirolas e muita alegria. E podia deixar de dançar? Ela mesma comentou naquele dia que “no dia que eu morrer ninguém pode falar que foi por causa de bebida ou cigarro, mas que será de tanto dançar”. Na noite durante o forró, suada de tanto rir e foliar, num momento breve ela partiu, sem sofrimento e agonia, deixando por fim essa bela e árdua caminhada para finalmente poder descansar.

E ter que despedir dela não foi uma tarefa muito fácil. Mas como tudo que Cidona está envolvida se torna místico, seu cortejo e enterro foram também um momento digno para esta mulher. Ver a multidão presente com um sentimento de saudades pelo momento, mas sem revoltas, cantando as músicas que ela tanto cantou, as profundas e belas orações e os fortes gritos de liberdade, isso tudo com os fogos que pareciam ser soltos para celebrar a alegria dela, além de um pôr-do-sol que foi um presente dos céus, mostrou que a energia de Cidona contagiava o ambiente e cada pessoa presente. Esta “cheirosa”, como ela chamava as pessoas próximas, vai demorar a ser esquecida e isso se ela for um dia (o que duvidamos muito).
Foto: Decanor Nunes

Obrigado por tudo Cidona! A semente de união, esperança, força e alegria nunca deixará de estar com cada pessoa teve a bela oportunidade de estar contigo. O povo brasileiro agradece cada entrega e cada riso seu. Gratidão eterna querida companheira, fique em paz!



Busca no blog

POSTAGENS POR DATA