DO SERTÃO DE MINAS PARA O BRASIL: NÃO À BELO MONTE!


Publicado há 10 anos, 2 meses

Helen Santa Rosa - Comunicação CAA-NM

Esta foi a posição dos representantes dos movimentos sociais que organizaram um protesto na praça Dr. Carlos em Montes Claros. Eles manifestaram apoio aos Povos do Xingu – indígenas, ribeirinhos e atingidos por barragens – que vem lutando contra a instalação da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. A região Norte de Minas prestou esta solidariedade através de lideranças de comunidades tradicionais, de entidades ambientalistas, sindicais, pastorais, estudantis, eclesiais e de luta pela terra.

Braulino Caetano dos Santos, coordenador da Rede Cerrado, já visitou o território indígena do Xingu: “Eles mantém a tradição de seus ancestrais. Quando nasce uma criança, eles plantam 50 pés de pequi, pra que aquela criança tenha o que comer quando crescer. Lá têm uma das maiores reservas ambientais do Brasil” relata Braulino, que ainda denuncia a ação do sistema capitalista nos territórios dos povos tradicionais.

“Todas as comunidades tradicionais tem sofrido a ação do capitalismo selvagem. Aqui no Norte de Minas as comunidades geraizeiras, que vivem na região da Serra do Espinhaço, no Alto Rio Pardo, enfrentam um problema parecido: são encurralados pela monocultura do eucalipto, e agora pela mineração que pode destruir o que resta de suas águas. Temos também os quilombolas encurralados pelo gado, os vazanteiros expulsos de suas terras para a criação de parques, os índios Xakriabá com a ameaça de uma rodovia em seu território tradicional, e por aí vai. Ao redor de Montes Claros tem as cascalheiras, que ameaçam as três nascentes que abastecem a cidade”, relata Braulino.

Para Bruno Diogo, do MST, é preciso explicitar o modelo de desenvolvimento que queremos. “É o momento de dizermos um basta à ação do agronegócio, à degradação ambiental, a expulsão dos povos e comunidades de seus territórios tradicionais. Queremos um desenvolvimento que respeite o meio ambiente, que leve em conta a sustentabilidade” reforça.

Aliança campo e cidade
Representantes dos movimentos estudantis e eclesiais também participaram do Ato. Flávia Almeida, representante do Conselho Diocesano de Leigos, salientou que estamos unidos entorno de uma mesma bandeira de luta. “ Estamos a favor da vida, contra a morte. Esse modelo gera a morte das pessoas, da natureza, fere os princípios da dignidade humana”, relata. O ato público foi convocado pela Rede Cerrado e CEBs (Comunidades Eclesiais de Base) e contou com o apoio e a solidariedade de estudantes, professores, e sindicato de trabalhadores. Participaram também representantes do CAA/NM, do MST, Assembléia Popular, da ASA (Articulação no Semiárido Mineiro), MAB, MPA, Conselho Diocesano de Leigos, Pastoral do Menor, FEAB, dentre outros movimentos populares.

Veja essa matéria também no site Xingú Vivo clicando AQUI!

Busca no blog

POSTAGENS POR DATA