Projeto Cisternas nas Escolas abastece salas de aula com água e conhecimento


Publicado há 7 anos, 4 meses

Karol Assunção - Jornalista da Adital

Apesar de ser um direito humano, o acesso à água ainda não é uma realidade garantida para todos/as. Foi pensando na situação das crianças e dos adolescentes que estudam em escolas no semiárido que a Articulação no Semi-Árido Brasileiro (ASA) desenvolveu o projeto Cisternas nas Escolas.

A iniciativa, realizada em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), o Instituto Ambiental Brasil Sustentável (IABS) e a Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (Aecid), agora está em fase de prestação de contas. Durante dois anos, o projeto, desenvolvido dentro do Programa 1 Milhão de Cisternas (P1MC) da ASA, construiu cisternas em 843 escolas de nove estados do semiárido brasileiro.

De acordo com Jean Carlos Medeiros, coordenador do P1MC, 146 municípios foram contemplados e 56 mil pessoas, entre alunos/as, professores/as e funcionários/as foram beneficiadas com a iniciativa. Com as cisternas, a comunidade escolar agora tem água para beber e para preparar a merenda escolar. Cada cisterna, segundo Medeiros, tem capacidade para 52 mil litros de água.

Se antes os/as alunos/as precisavam levar garrafas com água para escola ou às vezes até mesmo deixavam de ter aulas por falta de água, agora não só têm o bem natural para consumir como também discutem o assunto em sala de aula.

"O projeto reforça a convivência com o semiárido, além das cisternas, desenvolveu materiais em que professores e alunos estavam representados. Algumas cartilhas foram utilizadas nas aulas de matemática, ciências e geografia para discutir recursos hídricos, uma educação contextualizada, que destaca a realidade local”, comenta o coordenador do P1CM.

Através de desenhos animados, por exemplo, as crianças aprendem sobre o ciclo da água, o direito à água potável, o uso racional do recurso natural, entre outros assuntos que são destaque na série Água, Vida e Alegria no Semiárido. Na avaliação de Medeiros, o projeto ainda conseguiu ir além. Isso porque, de acordo com ele, a construção das cisternas contribuiu para o diálogo entre comunidade e poder público.

"Em muitos locais o poder público foi responsável por melhorar a escola para receber a cisterna [...], o que gerou uma expectativa na comunidade para dialogar mais com o poder público sobre as necessidades das escolas”, afirma, lembrando ainda que o projeto também gerou espaços de debates entre a própria comunidade escolar, como questões sobre o reabastecimento da cisterna no período de estiagem e os cuidados na época em que não há aulas. "Fortaleceu o controle social na escola e foi catalisador de outros processos, outros temas”,acrescenta.

Água nas escolas

A falta de água nas escolas ainda é problema comum na região semiárida. No relatório O Direito de Aprender –Potencializar avanços e reduzir desigualdades "Situação da Infância e da Adolescência Brasileira 2009”, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), a partir de dados do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), destacou que, "das 37,6 mil escolas na zona rural da região, 28,3 mil não são abastecidas pela rede pública.”

O coordenador do P1MC da ASA, por sua vez, reforça que o acesso à água é um direito humano e que a organização realiza ações justamente para contribuir para a garantia desse direito. "É importante garantir o acesso à água não só às famílias, mas também aos filhos dos agricultores [que estão em sala de aula]”, considera.

Fonte: http://www.adital.com.br/site/noticia.asp?lang=PT&cat=78&cod=66440

Busca no blog

POSTAGENS POR DATA